Você está aqui

Panorama da pobreza no Brasil

De acordo com recente estudo do Unicef, seis em cada dez crianças no país vivem em condição vulnerável

Diego Ciusz

No dia 14 de agosto de 2018, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) apresentou importante estudo, que merece a atenção de toda a sociedade brasileira. A pesquisa “Pobreza na infância e na adolescência”, que adotou critério inédito na abordagem do assunto no país, incluiu no cálculo os monetariamente pobres e aqueles que estão privados de um ou mais direitos fundamentais garantidos por lei, como educação, informação, água, saneamento básico, moradia e proteção contra o trabalho infantil. Graças à mudança na forma de análise, ampliou-se o olhar sobre os desafios que precisam ser enfrentados para assegurar um futuro justo e digno a esses pequenos cidadãos.

Tendo como base de dados a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, a pesquisa do Unicef alerta sobre o fato de que no Brasil, atualmente, 32 milhões de pessoas com até 17 anos de idade, ou seja, seis em cada dez crianças, estão expostas a condições de vulnerabilidade. Desse total de meninas e meninos, 18 milhões (34,3%) são afetados pela pobreza monetária, sendo provenientes de famílias que vivem, na zona urbana, com menos de R$ 346 per capita por mês e, na zona rural, com um valor inferior a R$ 269 per capita. Desses 18 milhões, 12 milhões, além de estarem sujeitos a viver sob renda insuficiente, têm um ou mais direitos negados.

Diego Ciusz

Outros 14 milhões de crianças e adolescentes foram inseridos no cálculo não pelo aspecto financeiro, mas por não ter um ou mais direitos garantidos. Os dois grupos, somados, totalizam 61% das crianças e dos adolescentes em todo o território nacional que passam por sérias restrições. Nos gráficos a seguir, é possível conhecer as privações e desigualdades que os dados analisados revelam.

Na contramão desse cenário, as fotos a seguir mostram algumas das ações da Legião da Boa Vontade em atenção a esses cidadãos, as quais ajudam a promover o protagonismo infantil e apoiam a educação de qualidade, numa clara evidência de que, com solidariedade e empenho de todos, se podem reduzir esses tristes números.

_____________________________________________
*Este conteúdo consta na revista BOA VONTADE nº 246, de setembro de 2018. Para obter seu exemplar digital, baixe o aplicativo BOA VONTADE Magazine, disponível gratuitamente na Google Play e na App Store.