Você está aqui

Doe um livro: projeto da SPTrans incentiva a leitura

A ideia é que livrarias, editoras, escritores e leitores colaborem. A iniciativa tem recebido grande participação do público.

SPTrans

"Retire ou doe um livro!" É o que propõe o projeto "Livro na Faixa", da SPTrans e da Coordenadoria Municipal de Bibliotecas.

Quanto tempo você perde por dia dentro de um ônibus em São Paulo? E se, durante esse período, você tivesse algo com o que se distrair... a sua viagem seria mais confortável? Uma iniciativa vem chamando a atenção dos passageiros dos coletivos da capital paulista. Estantes com obras literárias das mais variadas foram inseridas em terminais, com a inscrição: "Retire ou doe um livro!".

Trata-se do projeto "Livro na Faixa", da São Paulo Transporte S.A. (SPTrans), que gerencia o sistema de transporte público na cidade, e da Coordenadoria Municipal de Bibliotecas.

É uma maneira encontrada de estimular os usuários de ônibus a ler mais. Incentiva o acesso à cultura, desenvolve o saber e promove a solidariedade.

Às vezes, as limitações do trânsito e da cidade atrasam as viagens. Por que não então viajar pelas páginas da literatura?

A SPTrans já arrecadou mais de 20 mil livros, distribuídos nas estantes do programa, sem contar o compartilhamento espontâneo dos usuários paulistanos. Segundo a empresa, o retorno tem sido bastante positivo.

Portanto, caso encontre uma estante do projeto, pegue alguma obra e, se possível, doe um livro, deixe-o lá.

Sem burocracias

O interessante é que o público leitor não precisa ter nenhum cadastro, carteirinha ou coisa parecida para poder retirar alguma obra literária das estantes.

Nem existe nem mesmo prazo de devolução do livro emprestado.

Doe um livro, pelo menos ;)

Claro, se pegou, é legal também devolver, a fim de que outra pessoa possa igualmente se beneficiar com o mesmo livro.

Assim, o projeto incentiva a participação coletiva e o hábito da leitura entre os passageiros.

Nem sempre as estantes estão cheias, e nem é essa a ideia do projeto. O interessante é que haja rotatividade, com as pessoas sempre trocando livros.

Ainda, como etiqueta (por assim dizer), vale reforçar a importância de manter/doar o livro em bom estado.

SPTrans

Projeto "Livro na Faixa", da SPTrans e da Coordenadoria Municipal de Bibliotecas, incentiva a troca de livros entre passageiros do sistema de transporte coletivo de São Paulo/SP.

Opção no trânsito

Em resposta à pergunta do início do texto, o Ibope Inteligência, em uma pesquisa encomendada pela Rede Nossa São Paulo e pela FecomercioSP, calculou que o paulistano passa em média duas horas e 56 minutos no transporte coletivo para se deslocar pela cidade.

O estudo considerou o tempo total gasto nos ônibus, metrôs e trens — (veja pesquisa completa).

Um tempo e tanto, não é?!

Porém, esse período não é desperdiçado quando se tem um bom passatempo.

E é possível ler algum livro em quase três horas?

Considerando que uma pessoa normal lê cerca de 200 a 300 palavras por minuto, seria possível ler nesse tempo, em tese, obras como "O Guia do Mochileiro das Galáxias", de Douglas Adams, "O Grande Gatsby", de Scott Fitzgerald, ou "Fahrenheit 451", de Ray Bradbury, por exemplo (as informações sobre a quantidade de palavras nos livros foram retiradas do blog Conversa Cult).

Veja onde achar

As estantes com os livros podem ser encontradas nos seguintes terminais:

  • Bandeira
  • Campo Limpo
  • Capelinha
  • Grajaú
  • Guarapiranga
  • Jardim Ângela
  • Lapa
  • Parque Dom Pedro II
  • Pirituba
  • Santo Amaro