Você está aqui

Confira como foi o 22º Congresso Internacional de Educação da LBV

Evento on-line reuniu educadores de 589 localidades para analisar os desafios e as ações que estão dando certo na Educação durante a pandemia do novo coronavírus

Vivian R. Ferreira

As gêmeas Marina (E) e Alice Alves Barcelos, de 8 anos, que estão na 3a série do Ensino Fundamental, estudam no Instituto de Educação José de Paiva Netto.

Os educadores são alguns dos profissionais que tiveram de se reinventar para seguir trabalhando nesta fase de distanciamento social: além de terem de se adaptar para ministrar suas disciplinas de modo remoto, passaram também a cumprir demandas que superam em muito o que realizavam no começo do ano letivo, em aulas presenciais. A tarefa não tem sido fácil! A pesquisa “Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil*”, publicada em março de 2020 pelo Instituto Península, mostra que, desde o início da pandemia, eles têm precisado lidar com a ansiedade de conduzir aulas a distância e com a sobrecarga de ações ligadas à tecnologia, o que antes não se fazia necessário.

A fim de compartilhar ferramentas educacionais e pedagógicas com os docentes para esse novo panorama, o 22º Congresso Internacional de Educação da LBV apresentou o tema “O desafio das aulas remotas e a escola pós-pandemia — Uma visão além do intelecto”. Transmitido pelo canal da Instituição no YouTube (youtube.com/lbvbrasil) — com tradução simultânea em espanhol e na Língua Brasileira de Sinais (Libras) —, o encontro, realizado entre 29 de junho e 1° de julho, ocorreu pela primeira vez no formato webinar, respeitando as normas de distanciamento físico. O evento contou com a participação de mais de 3.500 educadores de 589 localidades de vários países, a exemplo da Argentina, da Bolívia, do Chile, dos Estados Unidos, do México, do Paraguai, de Portugal, da Suíça, do Uruguai e da Venezuela.

+ Este conteúdo consta na edição nº 248 da revista BOA VONTADE. Conheça a publicação na plataforma ISSUU!

Ciclo de palestras

O educador Trevor O’Brien, doutor em Educação Especial e membro do Departamento de Psicologia Educacional e Educação Inclusiva e Especial da Mary Immaculate College (MIC), da Irlanda, abriu, no dia 29, o ciclo de palestras do congresso. Durante sua explanação, apresentou algumas das práticas educacionais de seu país a partir de quatro tópicos: Inclusão, Pedagogia, Aprendizagem Colaborativa e Prática Reflexiva, as quais, segundo ele, podem ser aplicadas em outras nações. “A educação inclusiva tem como base a crença na igualdade, nos direitos humanos e na democracia para todos os alunos. (...) Saber que elas aprendem de maneiras diferentes pode ajudar essas crianças a reagir positivamente à diferença em todas as situações. (...) Os alunos com necessidades educacionais especiais merecem professores capacitados e dotados das habilidades e dos conhecimentos necessários para oferecer orientação”, afirmou aos congressistas.

A propósito, a LBV compartilhou na Irlanda, em março de 2019, sua prática pedagógica com educadores do Centro de Cork, a convite do próprio professor Trevor após conhecer, no fim de 2018, o trabalho de educação inclusiva realizado no Conjunto Educacional Boa Vontade, em São Paulo/SP.

Na sequência, a psicopedagoga Camila Leon, doutora e mestre em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), realizou a segunda preleção, tratando da importância da saúde mental em tempos de pandemia. Em determinado momento, comparou a atenção que o indivíduo precisa ter com a saúde mental à postura recomendada aos passageiros de um voo em uma situação de emergência: “Todo ser humano que trabalha com outros seres humanos precisa ter a consciência de que a saúde mental deve ser prioridade. [Em uma emergência aérea, por exemplo,] nós precisamos colocar a máscara de oxigênio primeiro em nós para depois conseguirmos ajudar quem está ao redor. [Na vida, é a mesma coisa,] senão as pessoas que convivem conosco ficarão estressadas por conta do nosso nível de estresse”. Ela ainda deu dicas de como aliviar a tensão e de como recorrer, virtualmente ou por telefone, ao auxílio de psicólogos, caso seja necessário.

Por sua vez, a doutora e mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Suelí Periotto, supervisora da Pedagogia do Afeto e da Pedagogia do Cidadão Ecumênico — que compõem a linha educacional criada pelo diretor-presidente da Legião da Boa Vontade, José de Paiva Netto, aplicada na rede de ensino da Instituição —, discorreu aos participantes sobre a temática central do encontro.

Na oportunidade, ao se referir à volta das aulas presenciais, ressaltou: “A diretriz de Paiva Netto em sua pedagogia é a de que tenhamos ‘uma visão além do intelecto’. (...) Então, como nós iremos fazer esse acolhimento emocional, esse diálogo, mostrar compreensão [e ajudá-los na] adaptação? Pensar nesses seres humanos que retornam pós-pandemia e que não são máquinas, respeitar as suas experiências. O nosso foco imediato é dar suporte para as pessoas”. E concluiu: “Precisaremos pensar em um espaço para professores e alunos conversarem: claro que não significa que tenhamos uma visão romântica ou irresponsável acerca do desafio significativo pela frente, de aproveitar bem o tempo até o final do ano e a distribuição dos conteúdos. (...) Mas uma coisa é certa, não sabemos como será a escola depois desse período, mas ela, com certeza, necessita ser mais solidária”, concluiu.

No segundo dia, foi compartilhada a prática pedagógica da LBV pelas pedagogas Aline Braga, pós-graduada em Metodologia das Ciências Humanas, e Gisela Portilho, pós-graduada em Gestão Escolar e Psicopedagogia Clínica e Institucional. Contemplando o ensino a educandos desde a Educação Infantil até ao 5o ano, o workshop tratou da adequação da matriz curricular, do planejamento e da montagem de aulas, avaliou o envolvimento das famílias na proposta de aulas remotas, entre outros pontos. A mesma mobilização repetiu-se no terceiro e último dia do congresso, tendo as ações práticas com foco nos estudantes das séries finais do Ensino Fundamental e nos do Ensino Médio.

Outros detalhes sobre o 22º Congresso Internacional de Educação da LBV, como os vídeos das palestas, você pode conferir acessando a página do evento!

+ Este conteúdo consta na edição nº 248 da revista BOA VONTADE. Conheça a publicação na plataforma ISSUU!

____________________________________________________
*O levantamento foi realizado, por meio de questionário virtual, com 2.400 professores de todo o Brasil, das redes privada e pública, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, incluindo diferentes modalidades, como a Educação de Jovens e Adultos (EJA).