Você está aqui

“A LBV me deu uma visão de futuro”

Da infância sem perspectiva ao protagonismo em ações sociais no Piauí

Edson dos Santos
Darina Serra (D), 53, é gestora na unidade da LBV em Teresina, no Piauí.

Darina Serra, 53 anos, inspira superação com sua trajetória. Nascida no município de Cururupu, interior do Maranhão, Brasil, enfrentou muitos obstáculos para estudar. Por bastante tempo, ela e cada um de seus oito irmãos ficaram hospedados na casa de parentes e conhecidos, encurtando a distância para ir à escola. Isso a pedido dos pais, que são analfabetos e precisavam garantir o sustento da família trabalhando com agricultura, longe da cidade. “(...) Ficamos separados pela necessidade de aprender. Mas a maior dificuldade naquela época era a falta de comida. No trabalho da roça, o retorno para as famílias acontece de ano em ano e quando [a lavoura] não é devastada pela enchente ou seca. Quando isso acontecia, era a pior ocasião; não tinha como comprar comida, roupa, remédios, calçados etc.”, recorda.

Até o que para muitos é comum, era raro para a família de Darina. Ela, por exemplo, só aos 15 anos soube o que era uma TV e uma geladeira. “Onde eu morava nem energia elétrica havia; na verdade, eu nem sabia que existiam essas coisas.”

Arquivo BV

A situação difícil vivida na infância foi decisiva em sua formação como cidadã. Em 1988, quando conheceu a ação solidária da Legião da Boa Vontade em São Luís/MA por intermédio de um primo, ficou encantada e decidiu que colaboraria com as atividades da Entidade na capital maranhense e, naquele mesmo ano, começou sua trajetória profissional na Instituição. O tempo foi passando, e Darina trabalhou em diferentes áreas até 2005, quando alcançou o atual posto: o de gestora do Centro Comunitário de Assistência Social da LBV em Teresina/PI. Por sinal, a presença feminina na área social é marcante. Do total de colaboradores, 75% são mulheres; e, do número de gestores nas 76 unidades socioassistenciais, elas representam 77,6%.

Trabalhar na Legião da Boa Vontade é, nas palavras de Darina, razão para sentir-se “realizada e feliz”. E explica o porquê: “A LBV me proporcionou mudança de vida em todos os sentidos, material e espiritualmente. Fez eu ter uma visão de futuro. A história da maioria dos atendidos é parecida com a minha própria infância e adolescência, faz eu voltar no passado; no entanto, [isso] me enche de orgulho pelo fato de que venci”.

Nos estudos, Darina foi longe, tornou-se técnica em Recursos Humanos e em Serviço Social e é pós-graduada em Educação Especial com docência em ensino. Com formação acadêmica e profissionalmente reconhecida, tem comandado, na unidade da Instituição na capital piauiense, ações que beneficiam 250 famílias em situação de risco social.