Você está aqui

A importância da arte na busca do conhecimento

 

Vivian R. Ferreira

A professora Lisie De Lucca, mestre em Educação, especialista em Linguagens das Artes e bacharel em Artes Visuais, palestra sobre "A experiência estética como caminho para a semeadura do entusiasmo pelo conhecimento". 

Certamente, quando você tem que escolher entre uma coisa e outra, tende a optar pela que mais lhe agrada, por vezes esteticamente. Em suma: pela mais bonita. Assim também são as crianças na sala de aula ao escolher quais disciplinas preferem.
Mas, onde está a beleza? Segundo a professora Lisie De Lucca, citando o filósofo fenomenólogo francês Maurice Merleau-Ponty, "a beleza se expressa na relação entre o sujeito contemplador e o objeto contemplado", e é influenciada pela cultura, caso ocorra a experiência estética. No contexto da sala de aula, criar uma relação agradável esteticamente para o aluno em relação à disciplina pode ser uma boa estratégia para os professores – não só de artes – despertarem o interesse de crianças e jovens para o conteúdo.

Para falar sobre isso, o 12° Congresso Internacional de Educação da LBV recebeu a palestra "A experiência estética como caminho para a semeadura do entusiasmo pelo conhecimento", com a mestre em Educação: Currículo, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), especialista em Linguagens das Artes, Artista, Ilustradora e professora Lisie de Lucca. Ela palestrou nesta quinta-feira, 27.

Sobre esse tema tão pertinente e atual, ela falou à Super Rede Boa Vontade de Comunicação (rádio, TV, internet e publicações), em entrevista concedida ao programa Educação em Debate, transmitido pela Boa Vontade TV. Na busca por proporcionar o interesse e o entusiasmo dos estudantes pelos conteúdos abordados nas diferentes disciplinas, a professora ressalta a necessidade de promover a interdisciplinaridade das artes nas outras disciplinas. "No contexto escolar, as artes podem ensinar muitas coisas (…) se nós conseguirmos transpor as experiências estéticas para outras disciplinas", ressaltou.

Com isso, o aluno será estimulado e desafiado de diferentes formas sensoriais na busca pelo conhecimento, seja ele na matemática, no português, ou em qualquer outra matéria. "O aluno vai passar por experiências estéticas que vão transformar esses objetos de conhecimento em algo carregado de sentido, [assim] ele vai achar beleza e, por isso, vai querer continuar aprendendo sobre aquele assunto."

Vivian R. Ferreira

Público acompanha segundo dia de palestras do Congresso de Educação da LBV

Para a educadora Lisie De Lucca, citando Elliot Eisner — professor de arte e educação na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos —, é preciso impulsionar a vontade de aprender dos educandos, para que ela ocorra de dentro para fora, que seja uma vontade intrínseca do ser humano. Ela destaca que o pensador defende que os seres humanos fazem as coisas por três motivos: satisfações intrínsecas, resultado da ação e recompensa extrínseca. Lisie traduz estes três motivos para a escola: entusiasmo pela matéria, necessidade de saber o assunto e a necessidade de nota, traduzida sempre na famosa pergunta "vale nota?".

Deste modo, cabe ao professor propiciar uma relação agradável entre o aluno e o saber que lhe será apresentado, despertando, desta forma, o interesse para este conteúdo.

Para que isso ocorra, a educadora afirma que é preciso acontecer uma mudança do modo como a escola vê e ensina aos alunos. "A escola tem a função de preparar o aluno para que ele consiga ter uma vida satisfatória fora dela. E esse preparo pode acontecer de muitas maneiras", enfatiza a especialista em Linguagens das Artes, reforçando o papel da educação, do conhecimento, como função social.

A Legião da Boa Vontade promove e contribui com o debate, pois nas suas escolas e unidades sociais, há essa preocupação em preparar crianças e jovens para a vida em sociedade, sobretudo, para a vivência de uma cidadania Solidária e Ecumênica. Por isso, o educador Paiva Netto, diretor-presidente da Instituição, definiu como lema educacional das unidades educacionais da Entidade "Aqui se estuda. Formam-se Cérebro e Coração".

Com isso, a LBV prima por uma formação intelectual de qualidade, sem diminuir a importância do sentimento, do exercício da fraternidade, para a formação dos educandos. Essa visão além do intelectão resulta na Pedagogia do Afeto e a Pedagogia do Cidadão Ecumênico, linha educacional criada pelo dirigente da Instituição e aplicada com sucesso nos espaços socioeducacionais da Organização.

Vale ressaltar também que nas Unidades da LBV em todo o Brasil, os alunos são incentivados a buscar o conhecimento de diferentes formas. Com base na metodologia própria da Instituição, o Método de Aprendizagem por Pesquisa Racional, Emocional e Intuitiva (Maprei), a vivência que crianças e jovens têm de mundo (conquistado por vivências anteriores) é levada em consideração.

Serviço
Evento: 12º Congresso Internacional de Educação da LBV.
Datas: 27 e 28 de junho (das 9 horas às 18h30).
Local: Instituto de Educação José de Paiva Netto.
Endereço: Av. Rudge, 700, Bom Retiro — São Paulo/SP.
Inscrições: (11) 3225-4590 ou 3361-6078 — www.lbv.org/congressodeeducacao.
Informe-se também pela página da LBV no Facebook