Você está aqui

LBV leva ajuda a famílias que sofrem com a seca no Vale do Jequitinhonha

Sua doação chegou! Conheça o relato de agradecimento de algumas famílias beneficiadas pela Campanha Diga Sim!

Belo Horizonte, MG — A Legião da Boa Vontade (LBV), sem interromper o trabalho diário que realiza em mais de oitenta cidades das cinco regiões brasileiras, está realizando a entrega das doações arrecadadas por meio de sua tradicional campanha Diga Sim!, iniciativa de caráter emergencial, cujo slogan deste ano é: “O que é urgente para você?”

Ao todo, serão entregues 15 mil cobertores e mais de 11 mil cestas de alimentos não perecíveis a famílias em situação de pobreza, que enfrentam as baixas temperaturas e a seca em dezenas de cidades brasileiras.

Ação solidária no Vale do Jequitinhonha

O Vale do Jequitinhonha é uma região do norte de Minas Gerais, onde as taxas de escolaridade, renda e expectativa de vida são muito inferiores às médias nacionais. No local, tem sempre ocorrido perdas na produção agrícola e é grande o número de famílias em situação de pobreza.

Mônica Mendes

Araçuaí/MG - A família desta senhora é uma das 200 residentes no município que foram atendidas pela Campanha Diga Sim!, desenvolvida pela Legião da Boa Vontade.

Mais uma vez, realizando um Roteiro de Solidariedade pelo Vale, de 10 a 13 de julho, a equipe da LBV percorreu as cidades de Araçuaí, Berilo, Chapada do Norte, Francisco Badaró, Jenipapo de Minas, José Gonçalves de Minas e Virgem da Lapa. E com o apoio do povo brasileiro que colaborou com esta Campanha, a Instituição fez chegar as doações de cestas de alimentos que vão fazer a diferença na vida de 1.400 famílias em situação de pobreza neste Vale. Abaixo, conheça como foi o nosso roteiro de viagem:

Primeira parada: Chapada do Norte

O município abriga 15.189 habitantes. Aqui foram entregues cestas de alimentos a 180 famílias em situação de vulnerabilidade. A senhora Maria de Lourdes Barbosa, 61 anos, recebe uma pensão e está consertando o telhado da casa. Além disso, cuida de dois netos porque a mãe deles é muito doente. “Eu trabalhava na roça, mas tenho pressão alta, reumatismo e já fiquei até na cadeira de rodas. Aqui, a ajuda que nós temos é a de Deus, porque uns remédios a gente acha e outros não. Quando eu recebo já é para pagar as contas e não dá para pagar a luz. A cesta, eu estava precisando muito, Deus trouxe. Eu não vou chorar... (silencia e depois prossegue). Eu preciso e não aguento trabalhar mais. Deus que abençoe vocês todos, dê mais saúde”, disse emocionada.

E seguiram para a cidade de Berilo

De acordo com o mais recente censo, são 2.300 habitantes nesta cidade. Nela, foram entregues 180 cestas de alimentos. Maria Valdete Gonçalves, coordenadora do CRAS no município, ressaltou os desafios destas pessoas: “Elas vêm nos procurando há meses. São famílias de comunidades rurais, carentes. A renda vem diminuindo muito e a situação agrava a cada dia mais porque os maridos viajam para colher café, cortar cana e não está tendo demanda deste serviço. Tem a estiagem também e o setor rural não está produzindo, não tem como fazer horta, as crianças estudam e a dificuldade aumenta”, destacou preocupada.

A coordenadora citou também a satisfação das famílias com as cestas de alimentos e agradeceu: “A cesta veio em boa hora, o pessoal ficou muito grato e feliz. O pouco que eles ganham vai dar para pagar uma conta, o remédio. Agradeço em nome do CRAS e das famílias. Vamos ficar em oração para que continue este trabalho maravilhoso que ajuda bastante as famílias. Que Deus abençoe e ilumine o caminho de todos”, disse.

Em Francisco Badaró

Leila Tonin

Francisco Badaró/MG - "O que é urgente para você?” Para esta família, além de outras tantas necessidades, a cesta de alimentos é urgente. A você que colaborou , o nosso muito obrigado!  

A cidade está a 596 km da capital mineira e possui 10.248 habitantes. Neste município, também 180 famílias foram beneficiadas pela LBV. O alimento não é tudo, mas pode amenizar o sofrimento de pessoas como a senhora Nadir Aparecida de Oliveira, que tem 6 pessoas em casa: ela, o esposo Joaquim e quatro filhos. “Meu marido tem problema de coluna, tem chagas. A gente faz uns bicos na lavoura. Eu sofri um acidente, estourou o tímpano, até para comer está difícil. Desde dezembro não dá nem para cuidar da minha horta. A gente recebe ajuda das pessoas. A dificuldade é o trabalho que não tem, a alimentação, não acha médico aqui, consegui em Montes Claros, mas eu tive que interromper o tratamento por falta de condição”.

Mônica Mendes

Francisco Badaró/MG - Famílias percorreram a estrada de chão para receberem a cesta de alimentos entregue pela LBV. A devastadora não atinge somente as margens desta estrada, mas toda a região.

Sobre a cesta, ela falou: “É muita emoção! A cesta vai me ajudar bastante, porque aí a gente arranja um jeito de pagar uma conta de luz, um remédio. Muito obrigada, de coração! Que Deus abençoe, que continuem fazendo este bom trabalho porque quem olha para o pequeno, Deus multiplica pra ele. Agradeço a todos que estão olhando para nós. Que Deus multiplique a saúde para a família de todos”, disse emocionada.

Cidade de Jenipapo de Minas

Mônica Mendes

Jenipapo de Minas/MG - A agricultura é uma das fontes de renda desta cidade. As famílias plantam, mas quando não chove ninguém colhe. Por isso, vemos nos semblantes traços dos desafios enfrentados e, mesmo que contida, a satisfação de receber a cesta de alimentos entregue pela LBV.

Com 7.116 habitantes, Jenipapo de Minas tem na agricultura e no comércio as principais fontes de economia. Aqui, a LBV atendeu a 300 famílias. “Nós trabalhamos na zona rural com lavoura, plantando feijão, horta, milho, quiabeiro, aboboreira. Este ano não foi bom porque a chuva foi devagar. Plantamos bastante e colhemos pouco. Tá difícil sair daqui para trabalhar. O dia que tem, trabalha. Quando não tem, espera ajuda com Deus, com paciência, e é muito bem-vinda. A cesta chegou em boa hora, estava precisando muito. Tem família que às vezes não tem nada para as crianças de manhã. A gente agradece, de coração, por estas pessoas que ajudam. Que Deus dê a elas muitos anos de vida com saúde”, afirmou a senhora Rosaltina Pereira, 48 anos, que tem 4 pessoas em casa.

Solidariedade em Araçuaí e Virgem da Lapa

Na manhã do dia 12, a equipe da LBV chegou em Araçuaí, cidade com 36.013 habitantes, para minimizar os desafios de 200 famílias. Vejam o relato da senhora Maristane Érica, 46 anos, 10 filhos, viúva: “Eu faço faxina. Lá em casa hoje não tinha nem açúcar, nem café. Às vezes eu cato nos lixos do supermercado. Esta cesta vai ajudar muito. Agradeço de bom coração porque foi um milagre! Que Deus abençoe vocês todos. Foi uma coisa muito boa pra mim, que estou nessa situação. Meus filhos agora vão ter café para tomar e quando eu chegar lá vou fazer um almoção pra eles!”.

Mônica Mendes

Araçuaí/MG - Durante este roteiro pelo Vale do Jequitinhonha, foram entregues cestas de alimentos para as famílias que sofrem com a seca na região. Famílias numerosas, algumas com 13 pessoas em casa.

Na parte da tarde, a equipe chegou na cidade de Virgem da Lapa, que abriga 13.619 habitantes, para atender a 180 famílias, igualmente necessitadas de auxílio. José de Loiola, da Associação dos Moradores do bairro Novo Horizonte, assim descreveu a situação: “Algumas destas famílias têm uma aposentadoria e oito pessoas em casa, outras não têm nem arroz, nem feijão. São pessoas que plantam, mas não colhem. Quando não chove, nem nasce. Mas não perdem a fé, são batalhadoras, todos os anos plantam. Estamos na época da entressafra e só vai começar a chover em outubro. Então, não se produz quase nada. Agradecemos imensamente pelas cestas, talvez seja esta a melhor coisa que aconteceu no nosso município”, afirmou.

Cidade de José Gonçalves de Minas

Última parada. Entrega de cestas de alimentos a mais 180 famílias, nesta cidade que possui 4.553 habitantes. A senhora Eva Miranda, 48 anos, 11 filhos, 1 neto. São 14 pessoas em casa. “A gente planta, mas não está colhendo porque falta a chuva e perde tudo. Aí a gente vai trabalhar fora, na zona rural de outra cidade, em qualquer serviço. Colher café é difícil, mas a gente enfrenta. A família vai quase toda pra lá e os outros ficam em casa. A cesta vai ajudar muito. Muito obrigada a vocês por terem se lembrado de nós”.

Você ajuda, a LBV faz!

“É uma campanha extremamente importante porque é emergencial. Além de todo o trabalho que a LBV realiza nos 365 dias do ano, ela também realiza estas campanhas, especialmente neste período no Vale do Jequitinhonha, uma região que sofre com uma estiagem muito grande. Muitas pessoas da zona rural que cultivam alguma lavoura, não conseguem colher. Então, a LBV vem suprir a necessidade destas pessoas. O nosso agradecimento a você, colaborador, que confia neste trabalho, e durante todo o ano colabora com a LBV. É graças à sua colaboração que a LBV consegue realizar este atendimento em todo o Brasil. Muito obrigado!”, ressaltou o gestor regional da LBV em Minas Gerais e no Espírito Santo, Antonio Fernandes.

A você que colaborou com esta ação e acredita no trabalho solidário e permanente da LBV, o nosso sincero agradecimento!